A Gruta de Lascaux

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

lascauxLascaux é uma caverna localizada no vale do Vézère, no sul da França, próxima de Montignac (Dordogne). Em seu interior nos deparamos com imagens, das quais muitos a consideram como a “Capela Sistina” da arte paleolítica. Preenchidas nas paredes e tectos estão preservadas pinturas e gravuras oriundas do período da pré-história, em tons amarelos, vermelhos, pardos e negros.
As pinturas rupestres representam diversos animais como bovídeos (alguns medindo quatro metros de comprimento), cabras, felinos, cavalos,cervos com formas geométricas,etc. Estudiosos acreditam que o lugar poderia ser uma espécie de santuário, mas de concreto só se pode afirmar acerca de sua cronologia, utilizando o carbono 14 para chegar a uma data aproximada. Algumas figuras foram datadas de 17.000 anos AP (termo arqueológico que significa “Antes do Presente”). Outras formas gráficas foram criadas mais recentemente, por volta de 15.500 AP.
A descoberta do local foi ao acaso, no ano de 1940. Quatro rapazes brincavam nas proximidades do rio Vézère quando a encontraram. Logo avisaram ao seu antigo professor e assim os primeiros olhares voltavam-se aos achados históricos, distribuídos por 235 metros de extensão da gruta. Ao longo do tempo foram catalogadas as imagens ali deixadas e de 1952 a 1963 foram listadas 1.433 representações. Nos dias de hoje já se tem por volta de 1.900.
Inicialmente gerou espanto, polémica, discussões arqueológicas, avançando para diversas especulações sobre o alcance simbólico das pinturas. Tal alvoroço atraiu rapidamente o turismo. Lascaux chegou a ter mais de 1.700 visitas diárias e como consequência houvera um desequilíbrio na gruta. No final dos anos 50 estudos revelaram que o excesso de gás carbónico, através da respiração dos visitantes, causou deteriorações nas pinturas. Por esta razão, em 1963 a caverna foi fechada, encerrando quaisquer visitações turísticas.
Ainda sim, a acção humana não deixou de afectar Lascaux, o aquecimento global tem modificado o equilíbrio interno, vindo a ter mofo branco e manchas negras acentuadas nas pinturas. Também com os aparelhos de assistência climática, surgiram cogumelos e fungos que encontraram um clima propicio para o seu desenvolvimento. Naturalmente os aparelhos foram trocados e as manchas estão sendo combatidas com tratamento biocida localizado. O resultado tem sido positivo.

Para resolver a questão do turismo foi tomada uma medida bastante interessante. Em 1983 foi inaugurada uma réplica, o Lascaux II. Lá, foram construídas partes representativas da caverna (bovídeos, cavalos, cervos, cabritos, e a “Sala dos Touros”).Uma dupla camada de concreto permitiu a produção fiel da caverna. Ela está cerca de 200 metros de distância da original.
As demais figuras que estão em Lascaux, foram reproduzidas e expostas no parque do Thot, a alguns quilómetros de Montignac.

A gruta de Lascaux foi declarada Património da Unesco em 1979, junto de outros sítios e grutas ornamentadas do vale do Vézère.

Deixe o seu comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...