austrália

Estas são as 21 cidades que deve visitar depois do confinamento

A vida vai continuar após a pandemia do Covid-19, e nada melhor do que já irmos fazendo planos para as nossa viagens e para recuperar o tempo que estivemos confinados.
Por essa razão, hoje temos 21 cidades que deve visitar depois de ter ficado tanto tempo em confinamento.

Weimar, Alemanha

cidadesQuanto tempo leva para que uma tendência estética se torne uma atração turística? Na Alemanha é claro: 100 anos. É o tempo decorrido desde que Walter Gropius fundou a Escola Bauhaus em Weimar, o primeiro movimento moderno em que o design e a arquitetura tinham igual peso.
Para celebrar este marco, a cidade essencialmente universitária completou as festividades com a abertura do seu Museu Bauhaus, bem como com a realização de diferentes exposições no seu Neues Museum.
E, é claro, é também uma cidade orgulhosa dos edifícios que Van de Velde, Gropius e companhia desenharam na cidade e no campus.

Brasília, Brasil

brasilMais de meio século passado, poder-se-ia dizer que o projeto que transformou o frondoso coração do Brasil numa capital é algo insípido. Deslumbrada com a exuberância do Rio de Janeiro, a simpatia de Salvador de Bahia e a pujança cosmopolita de São Paulo, Brasília nunca acreditou realmente no seu potencial turístico cultural.
Contudo, nos últimos anos posicionou-se como um destino interessante através de um projeto denominado Programa Cidade, Cidadão, Cidadania, que culminou em 2019 e que se propôs tornar visível um tecido criativo que teve na Bienal de Design Gráfico a sua principal vitrine. Por outro lado, conseguiu tornar-se um vértice fundamental no novo triângulo cultural do continente, juntamente com Goiana e a Cidade de Goiás.

Nagoya, Japão

japãoA quarta maior cidade do Japão está a lutar para encontrar o seu lugar no cenário turístico do Japão. Mas nos últimos anos tem vindo a transformar o seu frenesim industrial e económico numa atração adicional.
E não está a correr mal. Por enquanto, tem aquela mistura infalível de arranha-céus e património, de edifícios cintilantes como a Torre de TV e relíquias como o Castelo de Nagoya e o Templo de Osu Kannon. Uma fórmula básica que é complementada por tudo o que a Toyota (originalmente de uma cidade vizinha, mas com escritórios aqui) deixou sob a forma de centros de visitantes e arte, com museus inesperados como o Museu de Arte Tokugawa e o Museu de Belas Artes de Nagoya-Boston, um ramo prolífico da arte ocidental.

Oslo, Noruega

noruegaNa capital da Noruega, se pestanejar por um momento, vai perder alguma coisa. A sua determinação em ser um laboratório de ideias urbanísticas torna-a uma surpresa atrás da outra.
E o que é mais interessante? Ser a capital verde europeia. O seu estatuto de capital verde europeu. Como isso aconteceu? Revitalizando as suas margens e os novos bairros, sendo Vulkan o epicentro de tudo isto com aquela vibração pós-industrial que é tão atraente quanto prolífica.

Plovdiv, Bulgária

bulgáriaJá foi juntamente com Matera, Capital Europeia da Cultura. Preferimos o seu estatuto magnético como uma cidade do passado com um grande futuro.
Por um lado, temos as ruínas romanas que são complementadas pelas ruas longas e de aspecto imperial do centro. Por outro lado, o maravilhoso caos criativo de Kaplana, o labirinto de ruas estreitas e pequenos bares onde a Bulgária prova que é muito mais do que sol, praia e mosteiros.

Dallas, Estados Unidos

EUAPesa sobre a reputação do Texas e a efervescência do seu vizinho Austin, a quarta maior área metropolitana dos Estados Unidos (e a nona cidade mais populosa do país) começa a fazer barulho sem renunciar às Estrelas e Listras. E tudo bem. Se evitarmos os clichés, a cidade surpreende com o maior distrito artístico do país, com uma sucessão de museus e galerias, com um skyline com a Torre da Reunião como ícone e um estádio, o AT&T, que vale a pena conhecer pela sua curiosa coleção de arte contemporânea.

La Corunha, Espanha

espanhaPouco a pouco e sem muito alarido, La Corunha conseguiu consolidar-se como uma metrópole periférica. Ou seja, como cidade consistente, com atrações metropolitanas como o seu centro histórico, o seu ícone – a Torre de Hércules – e mesmo as suas modernidades, sob a forma do museu Domus e da rota e casa de Picasso.
Uma característica que foi solidificada por uma nova geração de restauradores que vão além do tradicional restaurante de marisco e que lideram uma nova forma de comer a Galiza e por uma onda de designers que, rodeados pelo selvagem Atlântico, estão a refrescar o cenário criativo. Uma surpresa que é mais agradável de experimentar do que de contemplar.

Mazatlan, México

méxicoA costa mexicana é tão vasta e variada que ainda tem lugares a conquistar. Nos últimos anos, Mazatlan e a costa de Sinaloa têm-se posicionado como a nova Riviera Nayarit, mas com várias advertências. As suas praias ainda estão intactas enquanto os hotéis que estão a abrir mantêm uma relação muito mais sustentável com o ambiente.
E, claro, há a comida, já que Mazatlán aspira a tornar-se a surpresa gastronómica de qualquer viagem ao México. O seu estatuto de cidade portuária significa que o peixe e os mariscos, preparados tanto crus em ceviche como fumados e estufados, são um forte concorrente para acabar com a tirania do taco, a enchilada e o picante.

Växjö, Suécia

suéciaNada, silêncio, calma, parcimónia como herança. Isto é o que esta encantadora cidade, aninhada entre lagos, tem para oferecer e fez do seu modo de vida a sua verdadeira atração. O seu encanto está intimamente ligado aos lagos e florestas que o rodeiam, com atividades para todos os tipos de aventureiros.
Mas se há algo que começa a brilhar, é por ser uma das cidades com melhor sabor deste lado do Báltico, graças a uma mistura equilibrada de filosofia nórdica e de cosmopolitismo exótico. Tudo isto temperado por uma proliferação de pequenos hotéis de design onde nada mais se pode fazer senão respirar até aos limites de cada pulmão.

Leeds, Reino Unido

inglaterraLeeds, a grande metrópole de Yorkshire, está cansada de enxugar as lágrimas da desindustrialização. E conseguiu despertar desta letargia pondo em valor o que tem: muita cultura sob a forma de museus e teatros e uma natureza exuberante que se tornou o seu principal encanto para os não falantes de inglês. Não em vão, a magia está nos parques, com ícones como a Abadia de Kirkstall a emergir nos prados, nos recantos do Parque Roundhay e na história dos Jardins do Templo Newsam. E para a sobremesa, as colinas e aldeias deste condado destinado a ser o novo Cotswolds.

Camberra, Austrália

austráliaPouco a pouco e sem fazer muito barulho, a capital australiana deixa de ser uma questão no jogo Trivial. A fim de ganhar a sua quota-parte de simpatia turística em frente de cidades poderosas como Sidney e Melbourne, puxou pela originalidade e criatividade.
É assim que se explicam estabelecimentos maravilhosos como o Ovolo Nishi, o que acontece quando se deixa jovens mentes darem à luz ideias; o Jamala, uma reserva natural com hotel incluído; ou The Hamlet of Hackett, um mercado maravilhoso onde se pode encontrar T-U-D-O o que um milennial sonharia.

Taipé, Taiwan

taiwanDizer desta cidade independente que é a nova Hong Kong seria privá-la de algumas singularidades muito poderosas. Não, não tem os monumentos ou o ambiente de cortar a respiração de outros dragões asiáticos, mas tem aquelas peculiaridades que parecem ser de outro mundo.
Quem quer que viaje para este território encontrará um paraíso da street food, um universo gastronómico com qualidade própria (não será em vão que foi a última cidade oriental a ter o seu próprio Guia Michelin) e uma paixão pelo design que a levou a ser a capital mundial deste campo em 2016 e cujo grande mérito é pôr ordem e beleza aos ‘brilli-brilli’.

Cochabamba, Bolívia

boliviaA Bolívia é o novo Peru, pelo menos em termos culinários. A virgindade de grande parte do seu território e a ligação desta terra com os seus antepassados dá sabores surpreendentes e receitas inesperadas. E a maioria dos chefes de cozinha sabem-no. É por isso que Cochabamba, a sua capital gastronómica, surgiu como o destino mais saboroso do país, não só por causa dos seus chefes e dos seus segredos, mas também devido à sua localização num vale verde com muitas surpresas. E para depois do jantar, um centro histórico colonial e uma pequena aldeia indígena, Tupuraya, o que torna mais visível a ligação com os autóctones.

Tirana, Albânia

albâniaA Albânia não só promete ser um paraíso, como também uma cidade muito completa e estimulante. A principal razão? Uma capital que se estreia como a casa de uma companhia aérea, a Air Albania, e que, sem demasiada interferência globalizante, encontrou o seu próprio caminho para a modernidade. O seu principal pólo inovador é Blloku, onde antigas mansões burguesas foram convertidas em oficinas, hotéis e mansões delicadas. E depois, há o seu passado inebriante, as horas de passeio entre divindades ateístas soviéticas, mesquitas muçulmanas e piazzi italianas.

Amarante, Portugal

portugalNum relance, Amarante é tudo o que se espera de uma cidade portuguesa: rio, encostas, azulejos, pomposidade eclesiástica, roupa a secar ao sol, degraus e pontes. Mas se abrir bem os ouvidos, encontrará uma cidade com um potencial musical nascido do bom gosto e a sua distância de qualquer aeroporto ou auto-estrada cultural. Sob esta premissa nasceu há poucos anos o festival, MIMO, que destaca a paixão dos seus jovens habitantes por boas melodias e canções de qualidade e género fluido.

Lagos, Nigéria

nigériaNão há nenhum caçador de tendências no mundo que negligenciaria a capital da Nigéria como um paraíso da moda urbana, da fusão bem compreendida e da beleza desenfreada. É por isso que, desde 2011, a cidade organiza uma Semana da Moda que serve de vitrine para o caos estimulante das suas ruas e boutiques. Em Lagos, as diferenças transbordam, os contrastes surpreendem e os monumentos são indigestos, mas o estilo da cidade e o bom clima económico estão a fazer que tudo aqui seja levado cada vez mais a sério.

Fabriano, Itália

itáliaÉ difícil colocar esta cidade no mapa. Especialmente porque uma famosa marca de papelaria assumiu inocentemente o seu nome há décadas atrás, causando esta desorientação. Contudo, ao despertar, Fabriano continua lá, nas colinas que protegem o porto de Ancona, acolhendo uma segunda Primavera para a sua indústria artesanal que a transformou num destino de referência cultural. Porque poucas cidades como esta exemplificam melhor a última profecia: o design está morto, viva a manufatura limitada!

Yazd, Irão

irãoProtegida como Património Mundial há apenas poucos anos, esta encantadora cidade iraniana resume como poucos a harmonia entre um passado brilhante e um presente tranquilo. A sua localização, no meio do deserto, torna-a uma cidade difícil de modernizar, pelo que nas suas ruas de barro ainda se pode experimentar o frenesim e as formas que outrora acolheram comerciantes como Marco Polo. Antes que o Irão acabe por se definir, vale a pena abordá-la e adjectivá-la da melhor forma possível: através da vivência.

Bukhara, Uzbequistão

UzbequistãoAgora que a Rota da Seda emergiu como a aventura mais bem ressuscitada, vale a pena recordar que nem tudo no Uzbequistão é Samarkand. Como exemplo, esta bela cidade, Património Mundial desde 1993, tem nas suas raízes a principal atração. Não surpreendentemente, se algum lugar pode ser chamado o berço da cultura usbeque é este, então deve visitar com os seus sentidos prontos para apreciar minaretes, madraças e recantos de encantar.

Skopje, Macedónia

macedóniaOs dados estão lá: a Macedónia é, juntamente com a Geórgia, um dos países que mais cresceu em termos de turismo na Europa. A capital de uma região que soa como história viva está a recuperar os seus vestígios, destruídos por um terramoto em 1963, e a dar-lhes uma dinâmica muito interessante e atrativa para todos os tipos de viajantes. Além disso, tem aquele conjunto de edifícios e monumentos com o apelido “Nacional” e que nos permitem compreender o caos estilístico e estético sobre o qual esta atraente nação é construída.

Lilongwe, Malawi

malawiNão há nada como uma experiência mais calma, e é isso que está a acontecer na capital deste país da África Central. Apesar de não ter o passado ou a exuberância natural de outros países próximos, tem uma gastronomia cada vez mais próspera e uma forma sustentável de desfrutar da natureza que inspira hoteleiros e restauradores a abrir uma espécie de ramo lento do coração do continente. E, claro, é o acampamento base perfeito para se aproximar das praias inesperadas do Lago Malawi ou das reservas vizinhas de Chongoni e Daikanyama.
5

Sem comentários

Deixar um comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...