praça do giraldo

À descoberta de Évora, Cidade Património da Humanidade

«Évora, cidade histórica no coração do Alentejo, herdeira de um rico e variado património cultural, construído e preservado ao longo do tempo. Andar por suas ruas é sem dúvida uma experiência incrível. Desde as suas muralhas medievais que circundam o centro histórico, aos simples paralelepípedos das suas ruas, Évora esbanja história a cada esquina ».
Évora fica situada na região do Alentejo, em Portugal, uma região que amamos.
O património artístico do centro histórico de Évora está muito bem preservado, em grande parte graças à longa permanência da monarquia portuguesa na cidade. Este facto, aliado ao grande número de monumentos bem conservados, confere a Évora o epíteto de “Cidade-Museu”.
O complexo monumental e a construção urbana de aspecto popular foram os aspectos mais importantes que levaram Évora a entrar na lista de Património Cultural da Humanidade em 1986.
évora

Breve história de Évora

Évora foi fundada pelos Romanos e elevada à categoria de Município como Ebora Liberalitas Julia, em homenagem a Julio Cesar. Na época do imperador romano Augusto, Évora foi integrada na província da Lusitânia e beneficiou de uma série de transformações urbanas, sendo o Templo Romano de Diana um claro exemplo das mesmas.
No século III foi erguido o muro, cujos vestígios podemos ver hoje em alguns pontos da cidade.
Do século III até a chegada dos muçulmanos, a cidade passou por um período sombrio. Os muçulmanos trouxeram um período de esplendor económico e político, graças à sua localização privilegiada. Eles também reconstruíram as paredes sobre as ruínas do Romano e construíram uma cidadela e uma mesquita.
No século XII, os cristãos tomaram Évora aos muçulmanos, o que consolidou a formação do novo reino de Portugal. Entre os séculos XIII e XIV foi construída a catedral, uma das mais importantes catedrais medievais portuguesas. Para além disso, no terreno ocupado pelo fórum romano e pela cidadela muçulmana, foram construídos a prefeitura original e vários palácios da nobreza local. Durante este período, a cidade conheceu um grande crescimento, tornando-se no século XVI a segunda cidade mais importante do reino de Portugal.
Durante o século XVI, foram realizadas importantes obras arquitectónicas, como a construção da Igreja da Graça ou do Aqueduto da Água de Prata. Em finais do mesmo século foi também fundada a prestigiada Universidade de Évora.
Com a expulsão dos Jesuítas em meados do século XVIII, por ordem do Marquês de Pombal, foi encerrada a universidade, tendo a cidade entrado num período de declínio. Este declínio tornou-se mais visível no século XIX com a eliminação de vários edifícios históricos para a construção de outros mais modernos.
Hoje em dia, Évora vive melhores momentos, sobretudo graças à sua inscrição na Lista das Cidades Património Mundial, o que faz com que a cidade receba um grande número de visitantes.

Ou o que ver e fazer em Évora

Como já dissemos anteriormente, passear em Évora é uma experiência incrível que nos transporta a tempos antigos. Évora está repleta de história a cada recanto!
O centro histórico está rodeado por imponentes muralhas medievais, construídas sobre as antigas muralhas romanas. O centro tem imensos locais de interesse. Caminhe por ruas de paralelepípedos para os descobrir.
A seguir propomos um roteiro pelos lugares mais marcantes da cidade. Venha connosco à descoberta desta bela “Cidade-Museu”.

Praça do Giraldo

Bem no centro da cidade velha encontramos um dos espaços mais emblemáticos de Évora, a Praça do Giraldo.
CURIOSIDADE: A Praça do Giraldo deve o seu nome a Geraldo “Sem Medo”, figura lendária da época da reconquista, que também figura no escudo da cidade.
Originalmente neste espaço terminava o aqueduto, juntamente com um arco triunfal e uma grande fonte, ambos da época romana. Para ampliar a praça, esses prédios foram demolidos. Foi então construída, em 1571, a bela fonte renascentista que hoje podemos ver e que desde 1910 é Monumento Nacional.
Nas traseiras do largo ergue-se a Igreja de Santo Antão, do século XVI.
praça do giraldo

Sé Catedral (Sé de Évora)

A Basílica Sé de Nossa Senhora da Assunção, mais conhecida como Sé de Évora, é a maior catedral medieval de Portugal. Foi construída entre 1283 e 1308. Durante os séculos XV e XVI, muitas obras foram feitas, tendo sido já no século XVIII construída a nova capela dos Morgados do Esporão.
Se decidir entrar para ver a Sé Catedral, não deixe de visitar o Museu de Arte Sacra, e claro, o Claustro. Aproveite para subir ao terraço, de onde terá uma magnífica vista panorâmica da cidade.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horários (Sé, Museu e Terraço):
Todos os dias das 09h00 às 17h00. A última entrada no museu é 1 hora antes do encerramento e a última no terraço é meia hora antes.
A Catedral fecha no dia 24 de dezembro à tarde e nos dias 25 de dezembro e 1º de janeiro.
  → Preços:
• Bilhete Catedral + Claustro: 2,50 euros.
• Entrada Catedral + Claustro + Terraço: 3,50 euros.
• Bilhete Catedral + Museu: 4 euros.
• Entrada na visita completa: 4,50 euros.

Templo de Diana

Sem dúvida que o Templo de Diana é o monumento mais famoso e pelo qual as pessoas colocam Évora no mapa. É um dos mais importantes símbolos de Portugal no que diz respeito à presença romana no país.
O templo foi construído no século I DC e várias modificações importantes foram feitas nele durante os séculos II e III. Durante o século V e coincidindo com as invasões bárbaras, o monumento foi destruído. Presentemente, as ruínas que podemos ver são os únicos vestígios do que resta do antigo fórum romano da cidade.
CURIOSIDADE: Embora muitas vezes seja chamado de Templo de Diana, os historiadores nos contam que a associação com essa deusa romana da caça teve origem no século XVII, fruto de uma lenda.
o que ver em évora

Banhos Romanos

Na encantadora Praça do Sertório fica o actual edifício da Câmara Municipal de Évora, que foi construído no século XIX. Não passe sem primeiro entrar neste edifício e atravessar o seu belo salão. Ao fundo e à direita, podem-se admirar as ruínas dos Banhos Romanos datados dos séculos II e III. As fontes termais foram descobertas graças a algumas obras de construção de uma sala para os funcionários da Câmara Municipal.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horário de funcionamento:
Aberto todo o ano, de segunda a sexta-feira, das 09:00 às 17:30. Fechado nos finais de semana e feriados.
  → Preços:
A entrada é gratuita.
Na mesma Praça do Sertório fica a bela igreja barroca do antigo Convento do Salvador do Século XVII. Se estiver aberta, não perca a oportunidade e entre, pois tem muitos e belos azulejos e o altar é impressionante.
Junto à igreja poderá ver uma torre. É a antiga torre das muralhas de Évora, construída no século XIV. Ao longo dos anos esta torre foi integrada no convento como torre de vigia.

Palácio dos Condes de Basto, Pátio de São Miguel

Se caminhar pelas traseiras da Sé Catedral, ao chegar ao Museu das Carruagens Históricas, verá uma rua estreita a que se acede por uma porta de pedra. É o Pátio de São Miguel.
Entre e caminhe até chegar a uma bela praça (o Pátio de São Miguel). Aqui fica o belo edifício do Palácio de São Miguel ou Palácio dos Condes de Basto. Este palácio é um dos mais antigos de Évora e um dos mais importantes de Portugal. Um ponto curioso do palácio é estar parcialmente integrado nas muralhas da cidade. É Monumento Nacional desde 1922 e atualmente ainda é uma residência privada.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horário de funcionamento:
Sábados e domingos das 15h00 às 18h00
  → Preços:
A entrada é gratuita.

Universidade de Évora

A Universidade de Évora foi fundada em meados do século XVI. Funcionou como Universidade do Espírito Santo por bula papal e a sua direção foi entregue à Companhia de Jesus, que a dirigiu durante dois séculos. Em 1759 foi encerrada devido à expulsão dos Jesuítas de Portugal.
A universidade é composta por vários edifícios, mas o principal e mais visitado é o edifício do Colégio do Espírito Santo. Não hesite e entre para contemplar o espectacular claustro.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horário de funcionamento do Colégio do Espírito Santo:
De Segunda a Sábado das 09:30 às 17:30. Encerrada aos domingos e feriados.
  → Preços:
O bilhete unitário tem o preço de 3 euros. Existe um serviço de guia áudio no valor de 1,50 euros.
Atenção! As visitas, tanto guiadas como simples, devem ser marcadas com antecedência por e-mail: visitas@uevora.pt 

Largo da Porta de Moura

Se percorrer a rua que desce da Sé (Rua de São Marcos), encontra a Casa Garcia de Resende. Saberá que é a casa certa graças à bela janela entalhada em granito, em estilo manuelino no último andar. A casa está classificada como Monumento Nacional.
Mesmo em frente à Casa de Garcia de Resende começa o Largo da Porta de Moura. No início do largo, à esquerda, encontra-se a Casa Cordovil, cujo miradouro, coroado por torre cónica e galeria com ameias, não passa indiferente. Mais abaixo, pare para contemplar a fonte que encontrará a poucos metros. É um monumento da arquitetura civil renascentista. A fonte foi inaugurada em 1556. Tem forma quadrada e no centro existe uma esfera com quatro bicas.

Igreja da Misericórdia

A igreja, embora pequena e escondida atrás das grandes árvores da Praça da Misericórdia, é uma das mais bonitas de Évora (se tiver a sorte de a apanhar aberta). A sua construção iniciou-se em meados do século XVI. É constituída por uma única nave, onde abundam a arte barroca dos séculos XVII e XVIII. As paredes laterais são revestidas de azulejos azuis e brancos, e acima uma representação a óleo da Virgem da Misericórdia. Destaca-se ainda um notável retábulo de ouro.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horário de funcionamento:
Segunda a sexta das 09:00 às 12:00 h. e das 14h00 às 17h30
Sábados, domingos e feriados das 09:00 às 13:00.
  → Preços:
Entrada gratuita.

Igreja da Graça

Também conhecido como Convento de Nossa Senhora da Graça (popularmente chamado de Convento da Graça ou Meninos da Graça), é um dos mais importantes monumentos religiosos renascentistas de Évora.
Este antigo mosteiro dos monges eremitas calçados de Santo Agostinho, foi fundado no início do século XVI e é um bom exemplo do mais puro estilo renascentista. Na fachada principal, encontram-se as famosas figuras atlantes, chamadas, durante séculos, pelos habitantes de Évora, de “Meninos da Graça”.

Igreja de São Francisco

Apenas a 300 metros da Igreja da Graça, fica outra das famosas igrejas de Évora, a igreja de São Francisco. É uma igreja de estilo gótico-manuelino, construída entre os anos 1480 e 1510.
Curiosidade: Esta igreja está intimamente ligada aos acontecimentos históricos que marcaram a expansão marítima de Portugal. No interior encontram-se símbolos como a Cruz da Ordem de Cristo e os emblemas dos reis fundadores.

Capela dos Ossos

No mesmo edifício da Igreja de São Francisco fica esta capela que é simultâneamente um dos monumentos mais famosos e visitados de Évora.
Construída na primeira metade do século XVII, é a capela óssea mais antiga de Portugal e foi, desde o início, dedicada ao culto das almas do purgatório e posteriormente ao Senhor dos Passos. A capela é constituída por três naves, todas forradas a ossos, à excepção dos capitéis das colunas de granito e dos azulejos.
A iniciativa de sua construção foi de três monges que queriam transmitir a mensagem de que a vida é transitória, portanto, logo na entrada você pode ver uma mensagem de alerta que diz: “Nós ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”.
Tanto na entrada como na saída da capela você verá uma espécie de altar chamado “Maquete”. É um raro exemplar de talha dourada e policromada do século XVIII.
Com a mesma entrada da capela pode visitar, um piso acima, o Museu de Arte Sacra de Évora. Recomendamos que o faça, sobretudo porque a certa altura da visita acede à esplanada por cima da entrada principal da Igreja de São Francisco, de onde terá boas vistas e de outra perspetiva da cidade e do Jardim Público. Também chamou a nossa atenção a coleção de presépios de diferentes partes do mundo, com materiais e em formas muito surpreendentes.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horário de funcionamento: Horário
Horário de verão: 09h00 – 18h30
Horário de inverno: 09h00 – 17h00
Preços:
Bilhete de adulto: 5 euros.
Bilhete jovem (até 25 anos): 3,50 euros.
Bilhete sénior (maiores de 65 anos): 3,50 euros.
Bilhete família (2 adultos + jovens): 12,50 euros.
o que fazer em évora

Muralhas Medievais

Évora é uma das poucas cidades portuguesas que conseguiu preservar as suas muralhas quase intactas. A construção das muralhas foi ordenada no século XIV e é geralmente composta por várias torres e secções de muralha que anteriormente marcavam os limites da cidade medieval.
Antes dessas paredes havia paredes construídas pelos romanos e pelos árabes. Os romanos construíram a primeira parede no século III, com uma extensão de quase dois quilômetros. Hoje, em vários pontos da cidade, é possível encontrar vestígios desta muralha romana.

Aqueduto da Água de Prata

Este aqueduto é uma complexa obra de engenharia hidráulica do Renascimento para fornecimento de água à cidade de Évora. Foi edificada entre 1533 e 1537, no traçado topográfico do aqueduto romano, do qual se conservam poucos vestígios arqueológicos.
O aqueduto transporta água das nascentes localizadas na zona da Graça do Divor para a cidade, ou seja, trata-se de uma distância de mais de 18 quilómetros. Este aqueduto é um dos poucos que continua a funcionar até hoje.

Teatro Garcia de Resende

Inaugurado em junho de 1892, é juntamente com o Teatro de São Carlos e o Coliseu de Lisboa, um dos mais representativos “teatros italianos” existentes em Portugal. Possui um interior rico e eclético com uma clara influência italiana.

Museu de Évora

As origens do museu remontam a 1804, altura em que foi criada a Biblioteca Pública de Évora e onde também se encontrava uma coleção de arte. Mas é preciso esperar até 1915 para o museu ser realmente criado.
São mais de 20.000 peças de arqueologia, pinturas, esculturas, móveis, tecidos, cerâmicas, etc. Graças a um acervo tão grande, este museu é um dos mais importantes do país.

INFORMAÇÕES DE INTERESSE

Horário de funcionamento:
Aberto todo o ano, de terça a domingo, das 10h00 às 18h00.
→ Preços:
O ingresso geral custa 3 euros. O bilhete para estudantes e maiores de 65 anos tem o preço de 1,50 euros. A entrada é gratuita no primeiro domingo de cada mês.
Junto ao Museu de Évora encontra-se a Biblioteca Pública, um espaço que explora a história. O edifício foi inaugurado em meados do século XVII, para ser a sede do Colégio dos Moços do Coro da Sé (nesta época o edifício estava ligado ao Paço Episcopal através de uma passagem). A biblioteca foi fundada em 1805, e é uma das mais antigas e ricas do país.
Não pudemos visitar porque estava fechado por causa do Coronavírus, mas é um ponto importante a visitar. Aproveite para visitar se tiver oportunidade de entrar.

Palácio dos Duques de Cadaval

Junto ao Templo Romano e ao Jardim de Diana, este palácio foi construído no século XIV. O palácio é constituído pela Torre dos Cinco Cantos, vários jardins e várias salas de exposição, com peças dos séculos XV a XVIII, como manuscritos, esculturas, pinturas e armaduras.
Também pertence ao palácio a bela igreja de São João Evangelista ou Igreja dos Loios, fundada em 1485 e restaurada em 1958. O seu interior é lindamente decorado com azulejos de 1711.
INFORMAÇÕES DE INTERESSE
Horário de funcionamento:
Aberto todo o ano, de terça a Domingo das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h30
→ Preços:
Entrada no palácio: 2,50 euros.
Entrada no palácio + igreja dos Lóios: 5 euros.

Jardim Público e Palácio Dom Manuel

Se pretende dar um passeio agradável, o seu lugar é o jardim público. Este jardim cobre uma área de 3,3 hectares e foi construído entre 1863 e 1867, com o desenho do ideal romântico dos jardins do século XIX e o papel social das elites e das classes privilegiadas. Nele você encontrará uma vegetação diversa e colorida, além de várias espécies exóticas.
O Paço de D. Manuel encontra-se junto ao jardim público. Foi construído em meados do século XV porque o rei pretendia ter um paço real fora do castelo. O palácio foi habitado por vários monarcas portugueses. Segundo as crónicas da época, este palácio foi um dos edifícios mais notáveis do reino.

Alto de São Bento

A pouco mais de 3 quilómetros de Évora é um local pouco visitado pelos turistas, mas que nos chamou a atenção. É o Alto de São Bento, um monte onde se pode ter algumas das melhores vistas sobre Évora. No topo também é possível ver antigos e curiosos moinhos. Recomendamos que você suba ao pôr do sol.
Curiosidade: As impressionantes rochas de granito que podem ser vistas no topo do Alto de São Bento são os restos de uma cadeia de montanhas que se formou aqui há cerca de 350 milhões de anos. Com o passar do tempo e a erosão, o granito e outras rochas ficaram expostas.
Subimos de carro, pois você pode chegar ao topo perfeitamente, mas se quiser dar um “passeio” pode fazer sem problemas, não achamos que demore mais de uma hora para chegar lá.
É tudo, esperamos que tenha gostado do artigo e que possa ajudá-lo a planear uma visita a esta histórica cidade portuguesa.
4

Sem comentários

Deixar um comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...