Estrutura de Richat

A Estrutura de Richat, o Olho de África no deserto do Saara

Estrutura de Richat

Por esta altura parece impossível que a natureza ainda nos consiga surpreender, no entanto, ainda é capaz de nos deixar com a boca aberta em muitas situações. Ao longo do tempo temos aqui apresentado vários exemplos das incríveis maravilhas naturais que podemos encontrar um pouco por todo o mundo, no entanto, ainda existem imensos lugares extraordinários por descobrir.

Hoje, por exemplo, vamos fazer uma pequena viagem até África para falar cobre uma formação natural impressionante e espectacular. Referimo-nos à Estrutura de Richat, um lugar também conhecido como Olho de África ou Olho do Saara. Quer saber mais detalhes sobre esta maravilha natural africana? Então não perca nada do que lhe vamos contar a seguir!

Estrutura de Richat

Um ponto de referência para os astronautas

Situada no deserto do Saara, na Mauritânia, a Estrutura de Richat é na realidade um acidente geográfico muito particular que chamou a atenção quando começaram as primeiras missões espaciais. Até então, ninguém tinha dado conta que este lugar tem a forma de um olho, já que apenas é possível de apreciar a grande altura, o que nos faz recordar as Linhas de Nazca. Mas aqui há uma grande diferença: enquanto as enigmáticas linhas de Nazca podem ser apreciadas perfeitamente a partir de um avião, para ver a Estrutura de Richat na sua plenitude é necessário contemplá-las a partir do espaço sideral. Foi descoberta no verão de 1965 por dois astronautas que estavam a realizar uma missão espacial. É caracterizada por ter um diâmetro de 50 quilómetros e é formada por linhas em espiral. Tem indubitavelmente um tamanho descomunal. Por essa razão os astronautas utilizam o Olho de África como ponto de referência nas suas missões.

Estrutura de Richat

A origem da Estrutura de Richat

Apesar de terem passado já quase 50 anos da sua descoberta, a origem da Estrutura de Richat não é ainda muito clara. É afirmado por muitos que este enorme acidente geográfico terá sido provocado pelo impacto de um meteorito, o que explicaria a sua forma circular. No entanto, a maior parte dos estudos afirma que terá sido provavelmente o resultado de uma erupção vulcânica atípica, ocorrida há 100 milhões de anos, no período cretáceo, que posteriormente teria afundado devido a um longo processo de erosão até deixar o núcleo a descoberto. Com efeito, parece que o centro é formado por rochas dos períodos proterozóico e ordoviciano, ou seja, tem muitos milhões de anos. Mas tal como acontece a muitas outras formações naturais noutras zonas do planeta, também há sempre quem diga que os extraterrestres estiveram envolvidos…

olhos de africa

Uma imagem que vale mil palavras

Embora se possa obter imagens realmente belas do Olho de África a partir do espaço sideral, a verdade é que ir a esta zona de África não vale muito a pena, já que está muito longe de ser um lugar turístico. Em contrapartida, observar as imagens obtidas a partir do espaço é realmente espectacular. Dê uma vista de olhos às imagens que acompanham este artigo e surpreenda-se com e uniformidade quase perfeita desta curiosa e impressionante formação geológica no maior deserto do mundo. Tenha atenção a que embora se possam observar diferentes cores nas fotografias, isso não significa que a Estrutura de Richat vá mudando de tonalidades. Na realidade esta diferença nas cores das imagens tem a ver com a hora do dia ou com a estação do ano em que foram tiradas. Para além disso, muitas fotos são modificadas com fins científicos ou simplesmente com objectivos meramente estéticos. De seguida fica uma galeria de imagens onde pode encontrar as mais belas imagens da Estrutura de Richat.

olhos de africa

olho do saara

olho de africa

mauritânia

estrutura richat

Africa

richat

 

Booking.com

Sem comentários

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...