figueira da castelo rodrigo

Castelo Rodrigo, uma joia escondida e quase desconhecida

figueira da castelo rodrigo
A história diz-nos que em 1664 os portugueses conseguiram em Castelo Rodrigo uma das mais surpreendentes vitórias contra os espanhóis. Os espanhóis sitiaram esta cidade fronteiriça estratégica convencidos da sua vitória. Os portugueses, em minoria, temiam a certa derrota. De repente, uma mulher começou a andar destemida pelo recinto murado de Castelo Rodrigo recolhendo os projeteis lançados pelos espanhóis para os entregar aos soldados portugueses. Os atacantes, furiosos com a situação, tentaram livrar-se da senhora, mas as balas continuaram a cair aos seus pés como se nada fosse. Esta ajuda divina deu uma força renovada aos defensores portugueses, que acabaram por vencer a batalha e fazer com que os espanhóis batessem em retirada. Foi atribuído o milagre à Virgem de Aguiar, que dá o seu nome ao mosteiro que fica aos pés de Castelo Rodrigo.
O que resta das 13 torres – na altura não havia superstição – que marcaram a muralha de Castelo Rodrigo olha para nós ao subirmos a estrada que liga esta aldeia à cidade que a abriga e protege, Figueira de Castelo Rodrigo. Essa subida ao topo da colina ajuda-nos a compreender a importância estratégica de uma das joias mais cobiçadas da fronteira. Não é por menos. Este lugar, dominado pelo silêncio e pela tranquilidade, que não está atualmente nos caminhos dos viajantes, mas foi testemunha de algumas passagens fundamentais na história da Península Ibérica. Hoje, a sua inclusão no catálogo das Aldeias Históricas de Portugal, permite-nos apreciá-la quase imaculada. Preservando a sua essência medieval e uma fortaleza quase inexpugnável.

castelo rodrigoO que ver em Castelo Rodrigo

Castelo Rodrigo fica a cerca de 380 quilómetros de Lisboa, 230 do Porto e a quase 70 quilómetros da Guarda. Pode fazer parte de um itinerário interessante que inclui a cidade fortificada de Almeida.
Castelo Rodrigo parece quase uma aldeia de brinquedo. Minúsculo, mas imensamente belo. Assim que atravessarmos a sua Porta do Sol, embarcaremos numa viagem para outro tempo. Nas duas vezes que visitámos esta terra, o silêncio tem sido o protagonista. Apenas o impacto dos sapatos nas pedras das suas ruas quebra o silêncio de ferro. Tal como em Sortelha, o visitante não tem de seguir um itinerário fixo. Basta entrar nas ruas estreitas e desfrutar da paisagem com casas que parecem puzzles onde as pedras foram colocadas uma a uma com um domínio absoluto da arte da construção.
Uma torre capta a nossa atenção. Um dos poucos pontos de discórdia de Castelo Rodrigo. Uma pequena torre sineira com um relógio relativamente moderno que foi colocado numa das torres.
castelo rodrigo portugal

Visita a outras Aldeias Históricas

Dentro da rede das Aldeias Históricas de Portugal podemos visitar, para além de Castelo Rodrigo, outras belas cidades fronteiriças como Belmonte, conhecida pela sua comunidade judaica; Castelo Mendo e o seu aroma medieval, e Sortelha, uma aldeia de conto de fadas brilhantemente recuperada.
Ao subirmos e descermos esta montanha russa medieval onde é difícil acreditar que existam mesmo 517 pessoas, deparamos com a velha sinagoga que foi convertida numa cisterna medieval ou, por outras palavras, o reservatório de água da cidade. Também com a sua pequena igreja, em perfeito estado. Tão pequeno que podemos praticamente esticar os nossos braços para tocar os seus sinos e quebrar a paz da paisagem sonora. É dedicado a Nossa Senhora de Rocamador, a Virgem negra que tanta devoção desperta nos peregrinos dos Caminhos de Santiago.
E nesta peregrinação pelas ruas de Castelo Rodrigo, chegamos à fortificação que lhe dá o nome. Localizado, como não poderia deixar de ser, no topo da colina. Uma torre de vigia a partir da qual o horizonte e além é controlado. Não podemos pensar em melhor lugar para construir um castelo. O seu elegante portão monumental, uma das entradas do castelo ou, melhor dizendo, do palácio em que a fortificação foi convertida no século XVI, foi preservado.
Restam apenas algumas ruínas do castelo, que testemunharam os diferentes proprietários de uma aldeia que passou de mãos espanholas para portuguesas e que os portugueses tiveram de defender com unhas e dentes em mais do que uma ocasião. Embora remonte ao século IX, os colonos mais antigos também notaram a excelente localização desta colina para a habitar e ver o inimigo chegar. Por esta razão, é provável que, antes de ser um castelo, fosse um povoado Neolítico. Percorrer o seu interior é percorrer a pegada da história.
Do topo do ponto mais alto contemplamos o horizonte. E vemos aos nossos pés Figueira de Castelo Rodrigo, mas também a serra da Marofa com o seu miradouro, inconfundível pela presença feia de enormes antenas. E imaginamos os espanhóis que se aproximam das muralhas de Castelo Rodrigo, naquele ano de 1664. Precisamente um pequeno monumento lembra-nos desse cerco e subsequente batalha e também da restauração da independência em 1640. Passagens de uma história de que os habitantes se orgulham. Um monumento aninhado junto ao pequeno portão, uma abertura na parede que outrora foi amuralhada e que se abriu para a passagem mais tarde.
Apenas uma hora é tempo suficiente para explorar Castelo Rodrigo antes de tomar um delicioso café no Cantinho Café. Um local quase de brinquedo, para uma aldeia cobiçada, mais tarde esquecida e recuperada para o deleite dos visitantes.
portugal turismo

O miradouro da Marofa e a história de amor que lhe dá nome

Apaixonado pela cordilheira que rodeia Castelo Rodrigo, Zacuto, um judeu rico, decidiu comprar o pico mais alto. O homem estava a viajar com a sua bela filha Ofa, que não passou despercebida por Luis, filho de um nobre local. O amor nasceu, mas o facto de professarem diferentes religiões era um obstáculo quase intransponível. E dizemos quase porque, com a expulsão dos judeus de Portugal, Zacuto e Ofa acabaram convertidos ao cristianismo e o amor proibido se tornou autorizado. Por isso Luis, a caminho da colina para ver a sua amada, disse à sua mãe: “Eu vou amar Ofa”. E desde então, essa cadeia montanhosa tem sido chamada Marofa.
Lenda ou não, a verdade é que a cordilheira de Marofa é um belo enclave com um ponto de vista privilegiado situado a uma altitude de quase 1.000 metros. É facilmente acessível de carro e pode ser reconhecido pela presença de uma grande escultura de Cristo Rei. Uma réplica de seis metros do Cristo Redentor do Rio de Janeiro, foi ali colocada em 1956 pelo escultor Joaquim Barreiro. De lá podemos ver Figueira de Castelo Rodrigo, sentimos as Arribas do Douro e a nossa vista chega até às terras espanholas da província de Salamanca. Um lugar para desfrutar de uma paisagem cheia de cores e sensações, o mesmo que Luis e Ofa contemplavam enquanto se amavam.
Imagens via Wikimedia Commons I, II e III e Flickr
2

Sem comentários

Deixar um comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...