praia berlengas

Ilhas Berlengas, um paraíso quase desconhecido

berlengas
A uns 10 quilómetros da costa, as águas do Atlântico são de um azul tão profundo que não se consegue ver o fundo. São também mais turquesa, verde por vezes e até cristalina quando se aproximam os penhascos das Ilhas Berlengas.
A dez quilómetros de Peniche, o Atlântico atinge as rochas deste pequeno arquipélago. Uma viagem agradável de fazer nos dias com bom tempo, mas furiosa e impraticável em dias tempestuosos.
A Berlenga Grande, a maior ilha do arquipélago e a única das três que compõem o arquipélago que pode ser visitada, é alcançada após uma viagem de barco de 45 minutos a partir do porto de Peniche.
Existem diferentes empresas que fazem a rota, mas a autenticidade que é tão apreciada nos dias de hoje é fornecida pelo Sr. Júlio e pelo barco que ele comanda – o barco, não o Sr. Júlio, que é alguns anos mais velho, a maioria deles passou no mar. De facto, foi ele próprio que construiu o seu barco, que tem quatro quartos, cozinha, sala e casa de banho.
Tente sentar-se no arco, num dos pufes coloridos que pontilham o arco, e enquanto o altifalante faz soar os maiores sucessos de ontem e de hoje, pode concentrar-se no horizonte. Nos dias calmos há quem tenha visto golfinhos.
E sim, o cartão postal pode perder a sua magia se optar for ouvir  Abba e não o som das ondas no fundo, mas, não o negue, a música apanhou-o desprevenido e até o fará rir um pouco.
Pouco a pouco, a Berlenga Grande deixa de ser uma promessa para se tornar uma realidade. Os penhascos que emergem imponentes da água, grutas, arcos, rochas e ilhotas vão fazê-lo agradecer milhares de anos de transformação geológica e o fenómeno da erosão que estudou na escola com tédio e que hoje finalmente compreendeu.
Quando se chega ao porto, entre os tons de granito rosa que predominam na ilha, as pequenas casas brancas empoleiradas na encosta chamam a sua atenção. A zona é uma zona de pescadores e eles são os proprietários destas pequenas construções que, consistindo numa cozinha e num quarto de dormir, têm o básico para viver, porque, como nos explicam, mantêm as coisas importantes no barco, autênticas casas flutuantes.
ilhas berlengas
Uma vez em terra, dois trilhos para caminhadas convidam a caminhar o quilómetro e meio da ilha. Não franza o sobrolho, porque na Berlenga aplica-se o ditado de que as melhores essências são guardadas em pequenos frascos.
Uma Reserva da Biosfera da UNESCO, ao longo da sua caminhada irá deparar-se com muita fauna e flora que lhe mereceram este estatuto. Cagarras, airos, roques-de-castro, falcões peregrinos, lagartos da Berlenga, gaivotas…. Tantas gaivotas marinhas que a banda sonora da ilha, uma vez levantada e afastada do mar, é coisa deles próprios.
Tenha cuidado, e aqui os guias vão ficar sérios, para não se desviarem dos caminhos. Em primeiro lugar, porque destruiríamos este habitat com os nossos passos e, em segundo lugar, porque se fosse a época de reprodução correríamos o risco de ser atacados por gaivotas assustadas que sentiriam os seus ninhos em perigo.
O nosso itinerário, o Percurso da Berlenga, vai da Berlenga à Ilha Velha, as duas partes em que a ilha está dividida, e leva-nos até ao Forte de São João Baptista.
Após deixarmos o bairro dos pescadores e iniciarmos uma subida curta mas íngreme, passamos o farol, que está em funcionamento desde meados do século XIX. A partir da esplanada que ocupa, no ponto mais alto da ilha, domina toda a área e em dias claros até se pode ver o esboço da Nazaré.
O nosso destino são quatro passos e uma descida íngreme, utilizando degraus esculpidos na encosta, para longe. O espetáculo de contrastes com que o sol nos encanta ao atingir a água e a estrutura do forte incendiará a sua câmara.
Atravesse a ponte, se ousar saltar para a água das suas arcadas, e chegar à entrada do Forte de São João Baptista, que foi construído no século XVII esculpindo a sua silhueta diretamente numa enorme rocha, as suas poucas e pequenas janelas e um único portão de entrada, isolado da ilha por uma ponte levadiça, tornou-o numa praça quase inexpugnável no sudeste da ilha.
Muitas histórias de piratas, corsários e batalhas são contadas, mas a favorita é sem dúvida a que envolve um esquadrão espanhol de milhares e uma vintena de soldados portugueses, que infligiram centenas de baixas nas fileiras espanholas.
O Forte de São João Baptista viveu uma longa vida: desde um ponto defensivo na península de Peniche até uma prisão, antes de cair no esquecimento e, hoje em dia, acabar como um albergue onde qualquer pessoa gostaria de passar a noite.
Porque a Berlenga Grande merece mais do que um dia nos seus domínios para caminhar à sua volta, mas também para mergulhar e contornar as suas costas, de caiaque ou a bordo de um barco com chão de vidro e um sedutor fundo marinho que nos permite contemplar de perto o espetáculo da geologia da ilha.
Assim, remo na mão, pode passar pelas águas ao pé das falésias, aproximar-se o suficiente para quase tocar na formação rochosa conhecida como Cabeça do Elefante, entrar na Gruta Azul e mergulhar as mãos na água para ver como mudam de cor, experimentando a maravilha de se sentir tão pequeno no meio de tanta beleza.
praia berlengas

Quando visitar as Ilhas Berlengas

Recomenda-se a visita à Berlenga Grande entre Junho e Setembro; fora deste período, a aspereza do oceano torna as viagens difíceis.

Onde comer nas Ilhas Berlengas

O restaurante Mar & Sol e o bar com vista para o oceano tem um menu dominado por marisco e cozinha tradicional portuguesa.
Existe também um supermercado pequeno na ilha onde se pode comprar o que se precisa para um piquenique na praia.
ilhas das berlengas

Onde ficar nas Ilhas Berlengas

Forte de São João Baptista

O Forte de São João Batista tem dois tipos de alojamento: quartos localizados no edifício principal do forte para duas, três, quatro ou seis pessoas; e pequenos quartos nas muralhas para um ou dois hóspedes. Cada convidado é obrigado a trazer a sua própria roupa de cama, fronhas de almofada e toalhas. As casas de banho são comuns e partilhadas entre quatro quartos. Há uma cozinha disponível para os hóspedes, mas pode sempre utilizar o bar no forte.
Preço: a partir de 35 euros/noite (três ou mais noites). A partir de 45 euros/noite (uma ou duas noites). O aluguer de roupa de cama e toalhas no local está sujeito a uma sobretaxa de 5 euros por pessoa. Os pagamentos com cartão não são aceites.

Campismo

Para acampar na Ilha da Berlenga deve reservar o espaço desejado enviando um e-mail para campismo.berlenga@cm-peniche.pt, indicando nome, número de telefone, capacidade da tenda que pretende montar, datas de chegada e partida, identificação e origem.
7

Sem comentários

Deixar um comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...