destinos

Os melhores destinos para viajar em Outubro

viajar em OutubroHá dois verbos que podem definir o prazer de viajar em Outubro: voltar e explorar. O primeiro é uma referência à inquietação cultural de muitas cidades que aproveitam o regresso à rotina diária para organizar actividades nos seus próprios monumentos.

O segundo é o feitiço do Outono. O embelezamento massivo da natureza no hemisfério norte que se torna num espectáculo visual e gustativo.

Por tudo isso, seja qual for o motivo para você viajar, as ruas e caminhos do mundo esperam por si.

 

Mercado de Toyosu (Tóquio)

melhores destinosA capital nipónica é dos poucos lugares no mundo onde uma visita a um mercado é motivo suficiente para fazer uma viagem. Mais ainda quando falamos do maior mercado de peixe do mundo.

O mercado de Tsukiji tornou-se pequeno por culpa da massificação e da procura, daí que a cidade tenha abordado esta mudança com um duplo objectivo: proporcionar mais espaço aos comerciantes e tornar viável o turismo sem incomodar a actividade comercial.

Para o efeito remodelou não só este complexo próximo de Odaiba, como também foram criados espaços para permitir aos curiosos ver como são feitos os leilões do atum… às 4:30 da madrugada.

 

Berlim

melhores destinos para viajarBerlim é uma cidade que, por vezes, desorienta os visitantes. A sua frenética agenda e as modas efémeras fazem com que seja difícil seguir o seu ritmo.

No entanto, no mês de Outubro surpreende com uma das suas iniciativas mais divertidas e versáteis. O Festival das Luzes, que este ano perfaz 14 edições e que se conseguiu impor como um dos mais importantes festivais de outono em que artistas e vídeo-artistas projectam as suas obras sobre os monumentos mais emblemáticos de Berlim.

É uma ocasião única para reinventar os clássicos e conhecer melhor um estilo artístico cada vez mais pujante

 

Praga

destinosPoder-se-ia dizer que a queda do Muro não foi completa em Praga até o turismo ter chegado e o Designblok se ter consolidado.

Este festival dedicado ao design, que este Outubro cumpre 20 edições, conseguiu consolidar-se por ser capaz de ser uma montra para os criadores locais e por aproximar as inovadoras ideias da Europa de Leste aos cânones mais ocidentais.

Mas para além da mostra em si, a capital checa aproveita esta ocasião para se reivindicar como o lar de muitos dos designers mais disruptivos da actualidade, como Lucie Koldov ou Estudio Qubus.

 

El Salvador

el salvadorEl Salvador promete ser a próxima Costa Rica (se é que isso é possível). Seja como for, este destino está mais na moda do que nunca, tal e como demonstra o aumento de voos da Europa para este país centro-americano.

E a primeira impressão que fica é esta cidade surpreende pelo inesperado, pois tem um centro histórico recheado de monumentos da época colonial, governamentais e bastante surpreendentes, como por exemplo a impressionante igreja do Rosário.

Depois desta pequena escala, esperam-nos as ruínas maias, as praias da Costa do Sol e as maravilhas naturais do Parque do Cerro Verde, a “Ruta de las Flores” ou o lago Coatepeque.

 

Paris

parisTrês eventos imprescindíveis com a cultura contemporânea fazem com que Paris seja muito mais do que Impressionismo, floristas e acordeões em Montmartre no mês de Agosto.

O primeiro é a Noite Branca, uma noite em que a arte toma conta das ruas sob as estrelas e da batuta de Gaël Charbau.

O segundo, a Feira Internacional de Arte Contemporâneo (FIAC) em que o Grand Palais se enche de galeristas e coleccionistas, o que por sua vez gera uma onda expansiva de cultura por toda a cidade.

O terceiro evento é um evento mais paralelo. A ArteÉlysées vai-se consolidando lentamente como uma versão menos presunçosa da FIAC, mas onde também podemos encontrar móveis, peças de design e arte urbana.

 

Tokaji (Hungria)

Tokaji Este vinho húngaro tem como singularidade o facto da colheita das uvas ser realizada muito próxima do Inverno, daí que o frenesim enoturistico tenha lugar mais tarde do que no resto da Europa.

No primeiro fim-de-semana de Outubro, a cidade homónima celebra a festa das vindimas, onde se festeja este período do ano tão especial e onde são recuperados os trajes tradicionais, os bailes e os costumes que perduraram apesar da sofisticação dos seus vinhos.

 

Janina (Grécia)

gréciaPara além de Atenas e das ilhas do Adriático e Egeu, há uma Grécia surpreendente onde a natureza e a história se misturam de forma quase hipnótica.

Um bom exemplo é Janina (ou Joanina), um dos destinos no interior mais fascinantes do país helénico, e que no Outono multiplica a sua beleza devido à combinação de florestas, montanhas e águas calmas.

Pois junto ao lago Pamvotida não cresce apenas uma cidade cheia monumentos, fortalezas e mosteiros ortodoxos. Neste espelho natural são também reflectidas as montanhas de Epiro que nesta época oferecem mil e uma excursões com caminhadas para todos os públicos.

 

Sabah (Malásia)

malásiaEsta região situada no noroeste do Bornéu sobressai por ser o destino perfeito para qualquer grupo de amigos. Ou seja, tem grandes possibilidades para qualquer viajante.

Outubro é um mês onde surgem diferentes iniciativas, entre as quais se destaca a Women Art Exhibition na curiosíssima galeria Sabah, que reivindica a criatividade da mulher num país onde ainda predomina o machismo.

Este exemplo de abertura é apenas uma amostra das atracções desta zona, onde também brilha por estes dias um festival de ornitologia e por ter as praias de Tuaran e Palau Gaya com menos turistas. É uma versão genuína da vizinha ilha de Palawan (Filipinas).

 

Stone Town (Zanzibar)

zanzibarPara finais deste mês vai estrear em todo o mundo o filme Bohemian Rapsody, uma biografia de Freddie Mercury em que se recorda a melhor voz da música popular do século XX.

Esta estreia conduz-nos, irremediavelmente, até à cidade que o viu nascer: Stone Town. Aqui cresceu e viveu intermitentemente até à maioridade, altura em que viajou definitivamente para Londres.

Mas foi um período suficientemente relevante para que a capital desta ilha tenha um tour próprio onde se visita a casa onde nasceu, o bairro de Shangani e até o templo onde rezava com a família.

Apesar de tudo, durante o percurso não é nunca feita qualquer referência à sua sexualidade, uma vez que esta região semiautónoma não reconhece a homossexualidade. Não deixa de ser um paradoxo curioso.

Booking.com
4

Sem comentários

Deixar um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...