marca país

Nova Zelândia aproveitou a COVID-19 para alcançar uma boa Reputação de Marca País

marca paísLisboa, 17 dezembro 2020 – Já foram anunciados os vencedores das categorias de melhor marca turística e de melhor marca económica, e a organização dos Country Brand Awards tem o orgulho de divulgar agora os resultados gerais. A nível global, a Nova Zelândia foi o país com a melhor ‘Marca País’, com uma pontuação de 8,09 em 10. O júri internacional reconheceu a gestão da reputação da Marca País na Nova Zelândia. Assim, o país fortaleceu a sua reputação e imagem geral, sendo aplaudido tanto pela imprensa internacional, como pelos principais líderes de opinião. 

Na pontuação final também pesaram a percepção da gestão da crise de saúde causada pelo COVID-19 (50%) durante a primeira onda pela imprensa internacional e líderes de opinião, a sua capacidade de criar uma marca turística (25%), e uma marca económica (25%). Segue-se Singapura (7,68) e a Coreia do Sul (7,5) nas segundas e terceiras posições, respetivamente. 

Estes resultados globais coincidem devido à divisão dos prémios por continente, incluindo Ásia, Médio Oriente e Oceania. No que diz respeito à Europa, a Alemanha, com uma pontuação média de 7,41, foi a vencedora. Mais uma vez, o júri elogiou a rápida resposta do país. Portugal (6,78) e Finlândia (6,45) conquistaram o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Nas Américas, o Canadá (7,06) foi o vencedor, seguido pela Colômbia (5,61) e o Chile (5,6). Em África, apenas Marrocos, que ocupa a primeira posição, conseguiu a aprovação (5,7), enquanto a África do Sul (4,96) e o Egipto (4,84) ficaram entre o top 3. 

 

A cauda da Europa 

Dos 13 países europeus analisados, todos os países que não conseguiram gerir com êxito a crise do COVID-19 ficaram muito atrás dos restantes países europeus que foram seleccionados. Portugal, com uma avaliação média de 6,78, ficou à frente de países como Reino Unido (4,4), Hungria (4,17) e Rússia (4,08). A atuação de todos estes governos foi duramente criticada pela imprensa internacional, que destacou a má gestão da situação e as deficiências de um sistema de saúde pública que se enfraqueceu nos últimos anos.

 

Gestão de pandemia, um novo componente na contrução de uma Marca País 

Embora a capacidade dos países de gerar marcas económicas e turísticas sejam componentes básicos na construção da Marca País, a gestão da pandemia representa um novo eixo fundamental para a imagem internacional cultivada pelos territórios. Assim, entram em jogo elementos essenciais como a segurança da saúde e a capacidade de resposta a este novo paradigma. 

É evidente que os países que publicamente responderam melhor à pandemia, como é o caso da Nova Zelândia, Alemanha e Canadá, serão os primeiros a recuperar de uma crise global: não demonstraram apenas um forte sistema interno, mas também foram capazes de gerar confiança na esfera internacional. 

Assim, o júri de peritos pôde avaliar essa gestão, para além da capacidade de promoção turística e económica da sua marca, através de um estudo independente de perceção e reputação de marca em 40 países pré-seleccionados. O júri é presidido por Didier Lagae, autor do livro Marca País, Um País como Marca (cujas edições em inglês e francês foram publicadas recentemente), bem como por reconhecidos profissionais da comunicação e diplomatas. 

John Harrington, Chefe de Redação da PRWeek, afirma: “COVID-19 está a levar ao restabelecimento do consenso global em muitas nações. Vários estados poderosos viram as suas reputações destruídas pela incapacidade de governos populistas na gestão da crise. O oposto verifica-se nos países asiáticos, democráticos ou não, que geriram a crise com muito mais eficácia. O mesmo poderia ser dito de estados sociais-democratas com uma infraestrutura decente e governos de centro-esquerda, como a Nova Zelândia ou a Alemanha. Depois da crise mais imediata passar, a reputação daqueles que geriram mal a sua marca provavelmente será seriamente prejudicada.” 

Didier Lagae, recentemente reconhecido como European PR e Global PR Professional of the Year, assim como CEO e Fundador da MARCO, comenta: “A Nova Zelândia assinalou a sua presença no mapa. O país forneceu um exemplo perfeito de excelente gestão de crise para obter uma reputação de marca país impecável e, portanto, foi premiado com o primeiro lugar do Prémio de marca país. A liderança política encabeçada pela primeira-ministra Jacinda Arden foi fundamental e traduziu-se num grande impulso para a reputação geral da marca nacional da Nova Zelândia. 

Em contraste, outros países com uma reputação de marca-país mais tradicional, como os Estados Unidos ou o Reino Unido, foram gravemente prejudicados pela sua má gestão da crise pandémica.

Claramente, o COVID-19 não afetou apenas milhões de pessoas a nível local, mas ao mesmo tempo também abalou as classificações das marcas país, dependendo de como cada governo nacional foi gerindo a questão. 

Dessa forma, a maneira como os governos lidaram e reagiram à crise do coronavírus foi muito mais decisiva em termos de reputação de marca-país do que qualquer uma das suas campanhas promocionais turísticas ou comerciais para promover os seus países.” 

Sobre os COUNTRY BRAND AWARDS 

https://www.countrybrandawards.com/ 

3

Sem comentários

Deixar um comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...