As enigmáticas linhas de Nazca no Peru

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

linhas de Nazca

Quer conhecer um dos grandes mistérios da arqueologia? Falamos das linhas de Nazca, umas linhas enigmáticas criadas na superfície de um deserto peruano árido pela civilização Nazca há cerca de 1500 anos. Como pode ver por si na galeria de imagens, esta rede de linhas inclui diferentes figuras que apenas se podem observar na totalidade a partir de um ponto de vista elevado, ou seja a partir do ar. Foi precisamente este motivo que levantou imensas questões sobre as reais intenções desta civilização e sobre as capacidades técnicas de quem as fez.
Quer saber mais informações sobre um dos maiores enigmas de todos os tempos? Então fique atento ao resto deste artigo!

linhas de Nazca

Localização

As linhas de Nazca foram declaradas Património da Humanidade pela UNESCO no ano de 1994. Esta rede de linhas brancas, entre as quais se incluem diversas figuras, encontra-se a cerca de 400 quilómetros a sul da capital do Peru, Lima, na província de Nazca. Ocupam uma superfície com cerca de 750 quilómetros quadrados nas regiões de Nazca, Palpa, Ingenio e Socos.

linhas de Nazca

As linhas de Nazca

Como acabamos de comentar, nas linhas de Nazca estão incluídas diversas figuras. Com efeito, é possível contemplar desde formas com aparência humana, até outras com forma de animais. Também não faltam alguns desenhos com formas de vegetais e outras formas geométricas. Para além disso, há outras que são simplesmente linhas, embora muitas delas apontem para marcos astronómicos e outras simplesmente para colinas. Para a sua construção, os artífices aproveitaram-se das condições geológicas e climáticas locais, uma vez que é uma zona onde praticamente não chove (diz-se que chove apenas meia hora em cada dois anos), e onde graças ao vento e à riqueza mineral do solo, se criou uma crosta delgada e escura que ao ser removida contrasta claramente com o subsolo. É por isso que estas linhas claras se destacam claramente sobre o fundo escuro.

linhas de Nazca

Maria Reiche

Como já comentámos anteriormente, estas linhas apenas se podem observar totalmente a partir do ar. Por essa razão, quando foram descobertas pensou-se os artífices deviam ter bons conhecimentos matemáticos.
Foi em meados do século XX que foi proposto a Maria Reiche (uma reputada matemática alemã) o estudo destas linhas. Para investigar melhor, a cientista mudou-se para a zona e foi percorrendo todos os recantos deste enigmático lugar. Embora tenha sido obrigada a voltar a casa contra a sua vontade no ano de 1998, não demorou a regressar. Com efeito, os seus restos mortais repousam aqui. Esta matemática era apologista da tese que as linhas representavam um calendário. Segundo a sua teoria, os habitantes deste lugar utilizavam os desenhos para saber quando começava cada estação do ano, para assim saberem quando era a melhor altura para fazer as colheitas.

linhas de Nazca

Outras teorias

Mas esta não é a única teoria sobre as origens das linhas de Nazca. Outros estudiosos garantem que os desenhos são uma homenagem aos deuses da água. Mas porque razão apenas se podem observadas a partir do ar?
Alguns dos especialistas dizem que a civilização Nazca adorava deuses que tinham a capacidade de se transformar em aves e voar. Com efeitos, foram encontradas cerâmicas com desenhos de deuses alados e outros que, apesar de não terem asas, estão numa clara posição de voo.
Naturalmente que há também quem diga que as linhas foram feitas por extraterrestres ou por pessoas vindas do futuro.

De seguida pode apreciar a nossa galeria de fotos, onde pode ver mais imagens das linhas de Nazca no Peru. Não perca!

linhas de Nasca

nazca peru

nazca

nasca

linhas de nasca

peru

linhas de Nazca

Booking.com

Deixe o seu comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...