cidades universitarias

As cidades universitárias mais antigas (e divertidas) da Europa

cidades universitarias
Há dois momentos cruciais em que um estudante se compromete a perseverar na sua carreira universitária negligente: em frente de uma pilha dobrada de notas recentemente digitalizadas, geralmente coincidindo com a noite anterior ao exame. E ao lado da cadeia de boas resoluções de Ano Novo, arrastadas pela corrente de ingenuidade que permeia estas datas. Assim, aproveitamos para fazer uma digressão pelas cidades universitárias mais famosas da Europa, onde neste momento, mais que um estudante se estará a enganar com o famoso “amanhã eu vou fazer”.
Em Portugal, uma cidade é Cum Laude nestas matérias, a cidade dos estudante: Coimbra.
Mas vamos começar aqui ao lado em Espanha. A primeira cidade universitária onde tradição e ancestralidade se fundem é Salamanca. A sua universidade, uma das mais antigas do mundo, remonta ao século XIII. Desde então, Salamanca cresceu em riqueza e prestígio para formar um dos mais impressionantes locais arquitetónicos em Espanha. Como se pode ver na fachada avassaladora da Universidade.
É aí que haverá um desafio. A tradição diz o que todos querem ouvir: que quem encontrar o famoso sapo esculpido entre as mil esculturas de filigrana do pórtico passará todos os exames. Uma consolação para os desesperados, mas que pouco importa. Entretanto, o batráquio continua a rir das mil aventuras a que assistiu: estudantes a cantar ao amanhecer, nevoeiros impiedosos, estudantes de Erasmus que nunca mais quererão regressar a casa, e muitos jovens inseguros em passo ritmado e instrumento musical da tuna na mão.
E ainda em Espanha também há Granada. Poderíamos citar Lorca, Washington Irwing e todos os elogios do dicionário. E ainda ficaríamos aquém das expectativas. Referência cultural indiscutível como capital do Reino Nasrid, como testemunha a Alhambra, que recuperou o seu prestígio graças à fundação do Colégio Imperial de São Miguel de Granada em 1531. Hoje, a cidade conquistou os corações e bolsos de todos os estudantes com estômagos insaciáveis. É por isso que os bares da Calle (Rua) Elvira, tais como ‘La Antigua Bodega Castañeda’, ‘Taberna Salinas’, ‘La cueva de 1900’ ou as beringelas de ‘Julio’ estão sempre tão ocupados. E se o empregado não for simpático, tire-lhe uma fotografia. Porque terá acabado de conhecer o único habitante local desagradável na face da terra.
O próximo exame é em Bolonha. Conhecida por todos por ter emprestado o seu nome ao plano que reformou o sistema universitário europeu, é nada menos que a universidade mais antiga do mundo a funcionar ininterruptamente. É também um destino cobiçado para estudantes de todo o mundo que querem conhecer a bela cidade das arcadas (tem nada menos que 45 quilómetros de arcadas entre as suas fachadas). E como um costume herdado, desde muito antes da palavra “amigo do ambiente” existir, todos os estudantes usam tradicionalmente bicicletas para se deslocarem nas ruas.
Se imaginarmos que a ciclovia continua para norte, e que o ciclismo se faz sem esforço, iremos para Gand, na parte flamenga da Bélgica. É fácil reconhecê-la pela sua extraordinária cidade antiga, e talvez seja por isso que é uma das cidades universitárias mais famosas da Europa. Cerca de 45.000 estudantes concordariam com este facto sem baterem uma pálpebra. E outros de olhos fechados sem uma solução. Mas estamos na casa da cerveja por excelência: basta olhar para lugares emblemáticos como Bierhuis, Waterhuis aan de bierkant, ou De Dulle Griet, com mais de 250 tipos de cerveja para experimentar por si próprio.
Em Inglaterra, as cidades universitárias mais famosas são Oxford e Cambridge. Conhecidos carinhosamente como Oxbridge, são o bastião educacional da elite britânica e internacional. Em Oxford os pubs estão repletos de estudantes de média académica exorbitante. A mais antiga é The Turf Tavern, do século XIII. Outro emblemático é Eagle and Child, frequentado na sua juventude pelo autor de The Lord of the Rings, J.R.R Tolkien, e C.S. Lewis. Outra instituição é The Kings Arms, que ostenta o QI mais alto por metro quadrado de qualquer pub no mundo. Se é esbanjado, há outro assunto.
Em França, a cidade universitária mais importante (Paris está sempre à margem) é Lyon. Todos os estudantes sabem que a melhor maneira de comer é passar pela cidade velha em qualquer dos seus “bouchon” (restaurantes típicos da cidade) como a Laurencin ou La Machonnerie. Os menus definidos são normalmente muito baratos, e em inglês, mas se fizer incursões perigosas através do menu (especialmente na secção de bebidas) acabará por animar vigorosamente a conta e desencorajar a sua carteira quando pagar.
E terminamos em Portugal com uma joia universitária: a cidade de Coimbra. Com apenas 150.000 habitantes, é um destino muito atraente para estudantes de metade da Europa. Desde meados do século XVI que a história da cidade gira em torno da Universidade, tal como evidenciado pela impressionante Biblioteca Joanina. Uma tradição universitária há muito estabelecida consiste em formar “repúblicas”, ou seja, associações estudantis onde se realizam atividades políticas e culturais e um partido ocasional. Em princípio, eles não permitem a entrada de intrusos de fora da organização… mas em certos momentos, não há nada como ser simpático para ser permitida a entrada.
4

Sem comentários

Deixar um comentário

SUBSCREVER GRÁTIS

Subscreva a nossa lista de email e receba novos artigos e actualizações comodamente na sua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo correu mal...